quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Desabafo!

Olá!!!!!!

E uma pergunta até que ponto é educado deixar de frequentar os lugares devido a ter alguém gripado???

Tenho me irritado um pouco com isto!!!

Livia completa na próxima semana um e dois meses e minha sobrinha 11 meses, achei que o contato com esta minha sobrinha seria bem próximo, me surpreendo quando percebo que não, ela mais do que a primeira filha de meu irmão, esta sendo criada bem distante da família paterna, mas o que me deixa bolada é que se tem alguém gripado na casa eles não vem, isto já ocorreu inúmeras vezes.

Minha gente Livia é cuidada por terceiros, sai todos os dias de casa, pega friagem, convive com muitas crianças, o organismo dela esta exposto a muitos vírus e ela tem os pego, vire e mexe esta gripadinha, com coriza, a mudança de tempo repentina também não ajuda, as baixas temperaturas que tivemos em São Paulo, então a Princesinha Livia é a catarrentinha de nossa vidas kkkkkkkkkk... Mas basta que meu irmão e a esposa saibam que Livia ou qualquer pessoa esteja gripada para eles não virem no fim de semana na casa da minha mãe. Porém se isto ocorresse uma vez no ano beleza, mas um fim de semana é um, no outro já é outra pessoa, e assim eles vão ficando sem vir, mas isto começa se tornar chato e tem me incomodado.

Gente prevenirmos, tentar evitar, é normal acredito que para todos os pais, devido a isto agasalhamos, damos as vacinas, evitamos sair de casa, etc... Mas chega um momento que é excesso de proteção?! Será? Até que ponto é ético?! Pois a mim já esta se tornando falta de educação e me irritando. Lembro de ouvir, porque o que ela esta é contagioso de maneira tão pesada. Ou será que eles estão certos e só minha filha que fica gripada, eles acertaram tanto que jamais a filha deles ficará gripada? Será que erro quando saio com a minha filha e antes não ligo para saber se tem alguém gripado?


Bom, nível blaster de irritação! Mas me aconselhem e tentem se colocar no lugar deles, pois eu estou com dificuldade.

Fotinhos... Livia passeando com o papai e  mamãe, brincando com a prima e com a bisavó em um domingo de outubro.




5 comentários:

  1. Ixxi complicado isso viu Ni ... quando Sofia era RN eu era neurótica com tudo, não ia visitar ninguem e nem queria visitas, aspirava a casa toda, varria e passava pano antes de dormimos e ela foi crescendo e vivia gripada, com nariz escorrendo, percebi que mesmo que eu coloque ela numa bolha não será suficiente pois eles estão desenvolvendo o sist. Imológico ainda. Converse com seu irmão diga que gostaria qud as crianças tenham um contato e tenta explicar que fugir das pessoas gripadas não elimina a chance da filha dele ficar tbm. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por expor sua experiência e pelo conselho! Beijos em vocês!

      Excluir
  2. Oi, acho que cada um tem um jeito né? Eu concordo contigo, não vou criar uma bolha em volta do meu filho, até porque não adianta. Tbm tenho uma cunhada que protegia tanto a filha dela que a médica mandou ela deixar a menina se sujar um pouco para criar anticorpos.
    O Henrique não está na creche porque minha mãe pode cuidar, mas se não pudesse ia e pronto.
    Eu deixo ele ir no colo das pessoas gripadas e tudo, vai criar anticorpos filho!!!

    Bjus

    http://esperando-esperar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olha eu sou do tipo: "Não quer vir, quem está perdendo é você" e assim tento levar a vida mais leve.
    Claro, que se a filha deles fosse pequena, RN, poucos meses, etc eu até entenderia.... Mas 11 meses já pode conviver. Claro, com bom senso! Evitar compartilhar copos, talheres, mamadeiras pois assim reduz a chace de transmissão. Mas gripe é gripe né minha gente! Até em ir ao mercado e ficar na fila perto de alguém gripado vc se torna susceptível ao vírus.
    Tem pais extremamente cuidadosos, outros nem tanto (meu caso), por isso acho que ficar irritada não é bom, pois cada um tem uma linha de pensamento. Quem está perdendo por não conviver com a Livia são eles e um dia perceberão o reflexo das atitudes que tomaram.
    Fique em paz, não se estresse com isso não.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Ni, eu penso exatamente igual a nossa colega aí de cima. As vezes eu acho que exagero um pouco, pois criança doente é muito chato. Dá muita dó. Tento de verdade não ser paranoica.

    Eu queria mais que tudo que o Heitor tivesse um priminho ou priminha na mesma faixa de idade pra conviver... Ah, se eu tivesse não iria deixar os dois se desgrudarem! rsrs

    Beijos

    ResponderExcluir